quinta-feira, 7 de abril de 2016

Force Awakens - Versão do (se eu fosse o) diretor

Meu sonho era ser do LucasFilm Story Group e trabalhar discutindo os rumos e roteiros de Star Wars o dia todo.
Como eu disse antes, o Despertar da Força por mais legal que seja (e é), tem vários problemas de roteiro, principalmente no terceiro ato. Agora que já revi em casa mais uma vez, lá vou eu tentar "conserta-lo", colocando aqui as sugestões que eu daria caso fosse do grupo de roteiristas.

Peguei o roteiro simplificado do filme (e dou créditos à Wikipédia por isso) e coloquei minhas alterações. O “meu” filme seria igual ao que você viu, a não ser onde eu colocar em negrito.

A long time ago, in a Galaxy far far away...

Poe Dameron, melhor piloto da Resistência, é mandado ao planeta Jakku pela General Maz Kanata [1] para obter um mapa que, acredita-se, indica a localização [2] de Luke Skywalker, o último Jedi, que está desaparecido há anos. Kylo Ren, um poderoso conhecedor do Lado Negro da Força e discípulo do Supremo Lider Snoke, está tentando roubar o mapa. Quando Kylo Ren o ataca, ele coloca o mapa em seu droide, BB-8, e o manda fugir para longe. Kylo Ren captura Dameron e ordena o assassinato de todos no vilarejo onde ele foi encontrado. 
stormtrooper  RA-2187 [3] fica ultrajada com a brutalidade da Primeira Ordem e deserta para ajudar Dameron, que passa a chamá-la de Rey. Rey pede ao piloto que a leve para a base da Resistência para que ela possa fugir e para contar sobre a nova arma da Primeira Ordem,a Base Starkiller. Poe conta a Rey que BB-8 carrega o mapa para Luke Skywalker e por isso é imprescindível que o droid chegue à Resistência. Eles conseguem escapar do Star Destroyer  onde estão, mas seu TIE Fighter é alvejado e caem de novo em Jakku. Dameron presumidamente morre.
Enquanto isso, BB-8 fica na posse de Finn [3], um jovem que sobrevive catando lixo. Rey encontra BB-8 com Finn no momento em que caçadores de recompensa do chefe do garoto, Unkar Plutt, estão tentando rouba-lo. A Stormtrooper reconhece BB-8 pela descrição de Poe e derrota os ladrões. Achando que Finn havia roubado o droid o derruba também, mas o sucateiro diz a ela que é um espião da Resistência. A Primeira Ordem os localiza e os três escapam do planeta numa velha nave, a Millennium Falcon.
Nave pirata.
Na fuga com a Millennium Falcon, esta é capturada por Han Solo e Chewbacca, de quem a nave havia sido roubada há alguns anos. 
Han comanda um grupo de piratas que, após descobrirem que a Primeira Ordem está pagando uma recompensa por Rey, Finn e BB-8, fazem um motim contra seu líder e seu contra-mestre Chewbacca [4]. Os heróis liberam Rathtars pelo cargueiro e conseguem fugir dos piratas.
 Após escaparem da nave pirata na Millenium Falcon, Han pede para ver o mapa e percebe que está incompleto. Segundo ele este é um mapa que levaria ao primeiro templo jedi, onde supostamente Luke estaria. Eles então viajam em direção ao planeta Takodana para encontrar Leia Organa, Sacerdotisa da Força [1], que acreditam que pode os ajudar.
Enquanto isso [5], no Sistema Hosnian, capital da Aliança Galáctica, General Maz Kanata faz um discurso perante os Senadores, dentre eles, Lando Calrissian. Maz recapitula os acontecimentos que levaram à criação da Aliança Galáctica e da Primeira Ordem: 
General Maz Kanata
"Há 32 anos, todas as células da Aliança Rebelde que lutavam contra o Império se reuniram e conseguiram destruir a Segunda Estrela da Morte e, com ela, o próprio Imperador Palpatine".
"Com a perda de seu líder, o Império se fragmentou. Muitos Moffs e Governadores locais passaram a lutar entre si pelo poder."
"A adesão à causa rebelde passou a crescer mais e mais, e os Sistemas começaram a se libertar da opressão e a formar uma nova república, a Aliança Galáctica".
"Mas o Império ainda não estava totalmente vencido, toda a frota imperial restante se organizou ao comando de um novo mestre... o Supremo Líder Snoke"
"Sob o comando de Snoke, os Imperiais se tornaram a Primeira Ordem e voltaram a atacar. Porém, três anos após a destruição da Segunda Estrela da Morte, foram derrotados na grande Batalha de Jakku".
"Após essa derrota, a Aliança e a Primeira Ordem fizeram um tratado de paz... A Primeira Ordem recebeu anistia, desde que se comprometesse a se desmilitarizar e a ocupar apenas uma região pré-determinada da Galáxia"
"A principio, a Aliança manteve postos avançados para observar a Primeira Ordem, mas com o tempo se tornou confiante demais, soberba demais... e os postos de observação na fronteira foram sendo retirados um a um, até que sobrou apenas um... A Resistência..."
"Já são quase 30 anos de paz na Galáxia, mas algo está errado... a Primeira Ordem nunca cumpriu a promessa de se desmilitarizar! E nos últimos tempos tem expandido suas fronteiras para Sistemas anteriormente neutros... além disso, tem havido muita movimentação na chamada Base Starkiller..."
Um Senador interrompe Maz:
"O que está sugerindo, General Kanata? Que devemos atacar a Primeira Ordem? Devemos iniciar uma guerra?"
Maz responde: "Não, Senador! É claro que não... Só acho que deveríamos nos preparar. Retornar os antigos postos de observação, deslocar parte da frota para a fronteira...".
O Senador interrompe novamente: "Maz Kanata... Que perigos a Primeira Ordem pode nos oferecer? A frota da Aliança baseada aqui no Sistema Hosnian é cerca de dez vezes maior do que a dela! E os atuais escudos planetários aguentariam ataques similares aos das antigas Estrelas da Morte".
Já fora da reunião, Maz se encontra com o Senador LandoCalrissian, que diz confiar nos instintos da general e que vai tentar fazer o possível para convencer os demais senadores e atender suas demandas.

A Millenium Falcon chega a Takodana. Han e Leia se reencontram, mas são interrompidos por C3-PO. No castelo de Leia, um antigo templo jedi, Finn e Rey descobrem que Han e Leia foram casados e que ela é irmã de Luke Skywalker.
Leia, Sacerdotisa da Força
Finn quer voltar para Jakku e vai atrás de pilotos que possam o levar para o planeta. Rey teme a Primeira Ordem e pretende entregar BB-8 para a Resistência, para depois continuar fugindo.
Rey é atraída pela Força até o porão, onde acha o sabre de luz de Luke Skywalker e tem uma visão do passado e do futuro através da Força. Leia conta sobre a Força para Rey. Diz que assim como em seu irmão, a Força é forte nela, entretanto se manifestou de forma diferente e ela se tornou uma sacerdotisa da Força e Conselheira da Resistência e não uma jedi, por isso vive naquele castelo rodeada de “fiéis”. Leia tenta entregar o sabre de Luke para Rey, dizendo que a Força é muito forte nela e ela terá um grande papel a desempenhar na luta contra o lado negro, mas a garota foge assustada. 
A Primeira Ordem ataca o castelo. Finn pega o sabre de luz com Leia que diz para o sucateiro entrega-lo para Rey. Leia usa a Força para jogar alguns Stormtroopers para o ar, abrindo caminho para Finn, que acaba usando o sabre de luz para enfrentar um Riot Control Stormtrooper. Rey é capturada por Kylo Ren, enquanto os outros escapam da Primeira Ordem graças à chegada das naves da Resistência, liderados por Dameron, que havia sobrevivido da queda em Jakku. 
Han diz para Leia que viu o filho dos dois. Han Solo e Leia se separaram após seu filho, Ben Solo, que estava sendo treinado por Luke para ser um Jedi, ter se voltado para o Lado Negro da Força e se tornado Kylo Ren. General Maz Kanata chega e leva todos para a base da Resistência no planeta D’Qar. 
Enquanto isso, na Base Starkiller, Kylo Ren tenta torturar Rey para obter o mapa direto de sua mente, mas é impedido pela forte conexão de Rey com a Força (ao falar que a Primeira Ordem já possui parte do mapa, Kylo Ren mostra para Rey um "pendrive" - semelhante àquele que está com BB8 - onde estaria esta informação). Rey escapa usando o truque mental jedi em um stormtrooper.
A Primeira Ordem utiliza uma nova arma construída diretamente dentro de um planeta, a Starkiller, comandada pelo General Hux. A Starkiller absorve a energia de um sol e lança uma rajada de energia diretamente no sol do Sistema Hosnian. A estrela instantaneamente se torna uma supernova, destruindo o Sistema Hosnian, toda a frota da Aliança e matando Lando [6]. 
Supernova destruindo Sistema Hosnian e a frota da Aliança Galáctica

Os vilões planejam destruir também D'Qar. Em reunião com a Resistência, Finn diz que a desertora Rey poderia ajuda-los a descobrir um ponto fraco na Base Starkiller. Finn, Solo e Chewbacca são enviados para resgata-la, enquanto as naves da Resistência são enviadas para atacar a Base [6]. Finn, entretanto, apenas quer salvar Rey.
As naves da Resistência chegam à base Starkiller e entram em combate com a imensa força da Primeira Ordem. Poe Dameron nota que a base é muito bem armada e possuí inúmeros escudos, sendo praticamente indestrutível.

Finn e os outros encontram Rey, que diz a eles que destruir o reator da Base é o único jeito de acabar com ela, mas que ele só é acessível para poucos oficiais da Primeira Ordem. Os heróis confrontam a Capitã Phasma para conseguir códigos de acesso ao reator da Base e a deixam em um compactador de lixo. Finn entra em contato com Poe que faz sua "trench run" para destruir armas e escudos para que o sucateiro e os outros consigam chegar ao local do reator. Eles chegam ao local e colocam explosivos para sabotar a arma da Starkiller. 

Han Solo vê Kylo Ren e o confronta; Kylo Ren parece hesitante sobre abandonar o Lado Negro da Força, mas acaba matando seu pai. Em um acesso de fúria, Chewbacca atira em Kylo Ren, ferindo-o seriamente no torso.
Os explosivos detonados por Chewbacca causam dano à arma da Starkiller e a Base começa a entrar em colapso. Kylo Ren, ferido, enfrenta Finn, que usa o sabre de luz de Anakin mas é derrotado rapidamente e cai inconsciente. Kylo Ren tenta pegar o sabre de luz, mas é Rey que consegue atraí-lo, e eles entram em confronto. Rey chega perto de derrotá-lo, mas o chão abre-se e eles são separados. Rey usa a Força e puxa o "pendrive" do cinto de Kylo Ren para sua mão. 

A Starkiller é destruída. Kylo Ren e General Hux vão encontrar-se com Snoke, e os heróis retornam a D'Qar, onde o mapa completo é composto juntando os "pendrives" de Rey e BB8 [7]. Rey viaja com Chewbacca na Millennium Falcon para encontrar Luke Skywalker, que vive isolado com R2-D2 num planeta remoto. Ao encontrá-lo, Rey oferece-lhe o sabre de luz. 

Fim


....



Comentários do diretor:
[1] Sim, inverti os papéis de Leia e Maz Kanata. Tudo teria acontecido bem parecido com o que foi visto no cinema, só colocando as personagens uma no lugar da outra. Assim, teríamos mais tempo de Han e Leia juntos, o sabre de Luke estaria com Leia (o que para mim faria muito mais sentido) e Leia teria evoluído como personagem ao invés de ser exatamente a mesma do Uma Nova Esperança. Aqui ela serviria mais ou menos como o Obi Wan Kenobi da história. 
[2] Acho que seria importante frisar que o mapa era referente aos templos jedis, onde provavelmente Luke estaria. Acho muito estranho o conceito "mapa para Luke Skywalker". Como Lor San Tekka era um conhecido explorador da galáxia, faria sentido ele ter esse tipo de informação.

[3] Rey é a Stormtrooper desertora e Finn o sucateiro! Isso faria com que a reclamação de alguns fãs de que ela é muito boa em tudo acabasse, já que assim, quem assumiria o papel de mecânico seria Finn.
Neste caso, a "jornada de herói" de Rey começaria com ela apenas querendo fugir da Primeira Ordem e por fim descobrindo seus poderes de jedi, assumindo este papel na luta contra o lado negro.  A Força teria despertado nela no momento em que decidiu não seguir com os vilões. O "mistério" sobre os pais de Rey seria mantido, afinal, é dito no filme original que os Stormtroopers não conhecem seus pais.
Seria interessante que na cena em que Phasma é indagada sobre RA-2187 quando esta foge, a capitã dissesse que a Stormtrooper havia sido uma das melhores de sua turma em várias aptidões, como pilotagem, luta corpo a corpo e manejo do Riot Control Baton (o que explicaria sua habilidade com o lightsaber mais para frente no filme).
Já Finn começaria o filme como um personagem que não quer se envolver com questões maiores, mas diferente de Han Solo, que não se envolvia com os rebeldes para ter suas próprias aventuras, Finn seria apenas "acomodado" como sucateiro e mecânico de naves em Jakku (trabalhando para Unkar Plutt). Sua mudança de atitude (quando vai à base Starkiller salvar Rey) seria desencadeada pela forma que Rey o trata, com mais afeto e amizade do que estava acostumado.
Como vocês devem ter percebido, nesta minha versão Rey e Finn começam em papeis inversos do filme real, voltando aos seus papéis "normais" à partir da cena em Takodana.
Acredito que esta sugestão afastaria de vez a sensação de que o filme é um remake, já que as origens de Rey e Luke Skywalker seriam bem distintas uma da outra.

[4] Han Solo líder de piratas espaciais! Não seria um desenvolvimento bem legal para o personagem? Além do que eliminaria mais uma das inúmeras coincidências do roteiro, a de que os grupos procurando por Solo chegaram à sua nave justamente no momento em que ele encontra os heróis. Acho que o motim contra ele tornaria o roteiro menos "acidentado". A cena da fuga dos heróis poderia ser exatamente a mesma, envolvendo os Rathtars. Imagine... Han Solo líder de piratas espaciais! 
[5] Outra vantagem da troca de papéis de Leia e Maz: poderíamos ter esta cena em Hosnian, onde aprenderíamos tudo o que aconteceu desde o fim do Retorno de Jedi. Tanto a nova república (que aqui chamei de Aliança Galáctica) e a Resistência, quanto a Primeira Ordem (e o próprio Supremo Líder Snoke), ficariam melhor definidos e explicados.
     [5-1] Pensando como acionista da Disney: estes três anos entre as batalhas de Endor e Jakku seriam interessantíssimos para serem explorados por alguma mídia - como desenhos animados, livros ou quadrinhos. Imagine poder contar com os personagens clássicos (Luke, Leia, Han...) em uma série animada ou coisa assim? Eu, como fã, adoraria ver isto.
      [5-2] Seria legal ter a noção de que houve paz por 30 anos. Assim toda a luta dos personagens clássicos não teria sido em vão.
[6] Acho que a maior reclamação dos fãs (eu, por exemplo) foi sobre a Base Starkiller. Tentei mudar um pouco seu funcionamento e sua destruição para dar uma distanciada do que já foi visto nos filmes anteriores. Coloquei Lando Calrissian no Sistema Hosnian para que a destruição do planeta tivesse mais impacto sobre os fãs.
     [6-1] As naves da Resistência chegariam junto (ou até um pouco antes) do que a Millenium Falcon para atrair atenção da Primeira Ordem enquanto os heróis vão procurar por Rey. A "trench run" de Poe seria para destruir armas e escudos da Base para que Finn e os outros conseguissem chegar ao reator. Ao confrontar Phasma, os heróis descobririam que o reator só era acessível por dentro, sendo impossível de ser destruído pelas X-Wings da Resistência.
      [6-2] A escala da batalha deveria ter sido maior do que foi no filme. Onde estava todo aquele exército que se reuniu para ver o discurso de Hux? A Resistência deveria chegar com bem mais naves. E não apenas X-Wings, mas também outros modelos.
      [6-3] Também acho que não precisaria haver a destruição do planeta todo, apenas da base e seus arredores
[7] R2-D2 acordar do nada no fim do filme foi outra grande reclamação dos fãs. Assim, incluí essa descoberta do restante dos mapas (Kylo Ren diz para Rey que a Primeira Ordem tinha essa informação durante o filme, só teria que incluir o seu "pendrive" na história). O droid poderia simplesmente estar com Luke. E desta forma, Rey teria ainda mais importância para a Resistência, já que seria responsável por trazer esta informação.


...

Enfim, Force Awakens é um filmão. Assistindo novamente (e em sequencia à Uma Nova Esperança) vi que ele não é simplesmente um remake do Episódio IV como costumam acusar. Sim, ele tem pontos bastante similares (droid com informação importante perdido no deserto, morte de figura paterna, arma de destruição planetária, etc etc etc), mas as linhas que ligam esses pontos são bastante diferentes de tudo visto até então. Os personagens (todos excelentes) e suas relações são novas, as motivações, as cenas de ação... e o principal de tudo: o filme se justifica sendo muito divertido e trazendo inúmeras cenas (já) icônicas. Claro, houveram deslizes aqui e ali. E acho que essas propostas que fiz aqui poderiam ter deixado o filme um pouco mais redondinho... mas, de qualquer forma, a Força é forte neste Episódio VII.




2 comentários:

  1. Muito boas as modificações. A melhor mesmo foi a inversão dos papéis da Leia e da Maz. Só acho que a Leia não precisava usar a Força "fisicamente". Talvez só mentalmente como a Rey qdo ela manipula o trooper para se soltar. Aliás, essa era uma cena que não tinha gostado na hora, mas depois percebi o quanto ela é importante.
    Se só o Luke aparecendo no fim já explodiu a cabeça de muito fã, imagino como seria o Luke E o R2 aparecendo juntos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu por ter lido, Thiago! :)
      É, o negócio da Leia seria só um fan service haha. Mas não teria tanta necessidade mesmo.
      Poxa, eu sempre curti muito aquela cena da Rey. Importante e até engraçada hehe.
      Abs

      Excluir